o uso do pix

Como funciona e qual o impacto dessa ferramenta na gestão do seu negócio

O BC (Banco Central do Brasil) anunciou no início de 2020 a criação de uma plataforma de pagamento, o PIX. 

O projeto, iniciado em 2018, trata-se de um novo meio de fazer transferências de recursos financeiros que mudou para sempre o mercado de transações eletrônicas, tornando possível a execução da operação em poucos segundos, a qualquer momento.

Novembro de 2020 foi o prazo para bancos, fintechs e demais instituições financeiras e de pagamentos disponibilizarem e se adequarem à nova ferramenta, portanto, entramos em 2021 com essa ferramenta totalmente operacional. A adesão de instituições de menor porte, com volume de contas ativas inferior a 500 mil, é facultativa.

Estima-se que apenas as instituições que estarão obrigadas a trabalhar com a nova ferramenta respondem hoje por mais de 90% das transações eletrônicas no Brasil. 

O PIX veio para decretar o fim da Transferência Eletrônica Disponível (TED) e do Documento de Ordem de Crédito (DOC). Por meio do novo sistema, todo mundo que possui uma conta bancária poderá efetuar pagamentos de faturas de água, cartão de crédito, energia elétrica, boletos etc. Já para as empresas, será possível, por exemplo, efetuar o recolhimento de tributos federais.

Mas afinal, o que é o PIX? Como funcionará essa nova possibilidade de fazer pagamentos e transações? Quais serão os impactos dessa relevante mudança no setor financeiro nacional para as empresas brasileiras? Continue a leitura e confira essas e outras respostas a seguir!

Como funcionam as transferências eletrônicas no Brasil?

Até Novembro de 2020, para enviar dinheiro de uma instituição financeira para outra no Brasil, haviam duas opções: TED ou DOC.

DOC (Documento de Ordem de Crédito)

  • O dinheiro chega na conta de destino no dia seguinte, podendo levar mais de um dia útil, caso a transferência seja feita após as 22h;
  • Valor máximo: R$ 4.999,99.

TED (Transferência Eletrônica Disponível)

  • O dinheiro enviado a outra instituição é creditado na conta de destino até as 17 horas do mesmo dia; depois desse horário, a transferência é agendada para o dia seguinte;
  • Não existe valor mínimo ou máximo.

Outro ponto importante é que DOC e TED funcionam somente em dias úteis; transferências feitas em finais de semana ou feriados nacionais, portanto, são completadas somente no dia útil seguinte, podendo levar dias para serem finalizadas.

Pix

Já o Pix funciona ininterruptamente — 24 horas por dia, 7 dias da semana, em todos os dias do ano. 

Além disso, as transações serão realizadas imediatamente — estima-se que a latência máxima seja de 10 segundos.

É como acontecem, hoje, transferências entre contas de um mesmo banco, que são instantâneas e podem ser feitas a qualquer momento.

De acordo com o Banco Central, as transações do Pix poderão ser feitas:

  • Entre pessoas físicas;
  • Entre pessoas físicas e jurídicas;
  • Entre pessoas jurídicas;
  • De pessoas físicas e jurídicas para instituições governamentais, no caso de impostos e taxas.

Como funciona o PIX?

Ao menos no papel, o PIX possui potencial e capacidade de substituir a TED, o DOC, boletos, o cartão de débito e, até mesmo, a utilização de dinheiro em espécie.

Trata-se de uma infraestrutura de banco de dados fornecida pelo BC, e mudanças desta natureza são uma tendência mundial e mais de 50 países estrangeiros já utilizam tecnologias similares de pagamento instantâneo. 

A remessa é solicitada por uma chave em direção a outra, e essa informação passa primeiro pelo banco de dados do BC, depois pela instituição, e é verificada e concluída.

O PIX é autenticado por meio de smartphones e computadores, e os pagamentos podem ser executados via QR Code (estático ou dinâmico), NFC, ou mesmo por meio do fornecimento manual de informações (CNPJ, CPF, endereço de e-mail, número de telefone celular, dentre outras).

O que muda no ambiente de negócios?

Com o PIX, haverá uma redução de custos para as empresas realizarem recebimentos e pagamentos, pois ele é, de qualquer forma, mais barato que TED e DOC, uma vez que a verificação de fraude não cabe às instituições, mas sim ao BC.

As empresas terão, portanto, maior facilidade para fazer negócios. O que isso significa? Ficou mais “fácil” vender. 

Hoje, uma empresa que trabalha aos sábados e domingo, por exemplo, pode fechar uma negociação com um cliente ou fornecedor nestes dias e receber o pagamento/pagar eletrônica e instantaneamente!

Além de trazer uma evidente simplificação para as rotinas financeiras, a chegada do PIX poderá ajudar na gestão financeira e otimização do fluxo de caixa de uma empresa.

Por exemplo, uma simples reorganização de datas de cobrança e pagamento pode trazer uma diminuição na demanda por crédito, empréstimos e antecipações. Ou seja, na prática, o PIX faz com que diversas vendas e negócios sejam feitas, de fato, à vista.

Outro ponto interessante para as empresas, será a possibilidade de efetuar de forma mais ágil e simplificada o recolhimento de guias de tributos federais, estaduais e municipais (impostos, taxas e contribuições) por meio do PIX.

Por meio de API (Application Programming Interface) o sistema ERP da sua empresa pode se integrar com o módulo Contábil do seu sistema. 

Isso possibilita, por exemplo, que no ato da emissão de um documento fiscal, este possa ser registrado automaticamente em um sistema de contabilidade sem diferença de data. 

Comentar com o Facebook

Share This